Fonte: Jornal Nexo
Coluna: Expresso
Autor: Murilo Roncolato em 19 Abr 2017

Ícone surgiu inspirado em lógica binária, se tornou padrão em 1973 com outro significado e, hoje, está na maioria dos eletrônicos no mundo todo.

Este símbolo está em todo lugar: . No seu computador, celular, aparelho de som, no rádio do carro e na torradeira da cozinha. Dada a presença constante de eletrônicos nas nossas vidas, não é de se estranhar.

Notável é perceber o quão eficiente é o símbolo do botão de ligar/desligar. Universalmente compreendido, a sua origem como padrão mundial remete à década de 1970, e a uma ideia bem simples, mas de grande efeito.

Símbolos gráficos são pensados para serem lidos de forma imediata, sem texto de descrição ou legenda. Além disso, resolve o problema de incompreensão de idiomas. É o caso do botão de ligar/desligar.

Inicialmente, fabricantes de dispositivos elétricos ou eletrônicos faziam uso do inglês em seus produtos vendidos pelo mundo. Assim, os botões para ligar e desligar vinham indicados, respectivamente, por “ON” e “OFF”.

FOTO: MARCIN WICHARY/REPRODUÇÃO/FLICKR

BOTÕES PARA LIGAR E DESLIGAR COM ‘LEGENDA’

Visando quebrar a barreira do idioma, foi criado um símbolo que dispensava os termos em inglês ou em qualquer outro idioma.

A grande responsável por isso foi a IEC, sigla em inglês da Comissão Eletrotécnica Internacional. Trata-se de uma organização não governamental criada em 1906 na Suíça que se ocupa de estabelecer padrões para produtos eletrônicos e sistemas elétricos. Não por acaso, costuma trabalhar em aliança com a ISO, a mais famosa organização internacional de padronização.

Em 1973, a IEC publicou um relatório (IEC 60417) reunindo todos os símbolos gráficos conhecidos para sistemas elétricos e eletrônicos — o que envolve desde os que vão em grandes maquinários de indústria ou painéis dos automóveis, até os que estão no controle remoto da sua TV ou ainda os que aparecem na telinha de um relógio digital.

Usando como base a lógica binária de 1 (para algo verdadeiro, ativo ou ligado) e 0 (falso, inativo ou desligado), a comissão elaborou o seguinte grupo de símbolos:

O símbolo de “ON”  representa um 1, enquanto o “OFF”  é derivado do formato do 0.

Curiosamente, o símbolo usado hoje para botões que, individualmente, ligam e desligam , na época foi projetado para representar botões de “standby”. Standby é o estado do eletrônico que não está completamente desligado, ou seja, ele está “adormecido”, mas não desconectado da sua fonte de energia (daí o “1” e “0” entrelaçados).

O símbolo originalmente previsto para cumprir a função de “ON/OFF”, que completamente desliga e liga o dispositivo, é o seguinte: , com o “1” posicionado dentro do “0”. O símbolo  foi se popularizando nos eletrônicos e perdeu o significado original de standby, passando a ser associado com ligar ou desligar o aparelho. Formalmente, começou a representar o “ON/OFF” tempos depois por meio de outra instituição responsável por padronizações, a americana IEEE (sigla para Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos). Em uma publicação de 2004, ela afirma:

“A IEC 60417 define  para uso em um botão de energia que não desconecta totalmente, deixando o dispositivo consumindo energia em modo de espera. O  é geralmente usado e entendido como ‘power’ [força/energia], bem como em botões para ligar, indicadores, etc. (…) Dispositivos eletrônicos devem usar  como sinônimo para ‘power’ em controladores de energia” IEEE 1621

Além disso, o mesmo instituto tornaria padrão o uso do símbolo da meia-lua  como indicador de um modo “adormecido” de energia. O parecer do IEEE, que passou a funcionar como padrão no resto mundo, no entanto, não invalida o trabalho histórico da IEC. O famigerado relatório de 1973 conta ainda com vários símbolos gráficos comuns ao cotidiano atual. Confira abaixo alguns exemplos retirados da lista completa:

‘ESTADO DA BATERIA’ E ‘BRILHO E CONTRASTE’


‘SOM NO MUDO’ E ‘REDE DE COMPUTADORES’

‘CLOSE-UP’ E ‘AVANÇAR VISUALIZAÇÃO’

Fonte: Jornal Nexo
Coluna: Expresso
Autor: Murilo Roncolato em 19 Abr 2017

Deixe uma resposta