Autor: Marco Antonio Borba – https://medium.com/@MarcoAntonioBarbosa

MONOCULTURA, s.f.: sistema de exploração do solo com especialização em um só produto; unicultura.
Não há outro termo para definir o estado do mainstream musical brasileiro em 2016: uma vasta planície na qual se cultiva apenas um gênero. E o gênero em questão, vocês sabem, é o sertanejo. Com a divulgação, no começo desta semana, do listão com as músicas mais tocadas do ano, confirmou-se, pelo não-sei-qual-ano consecutivo, a supremacia absoluta do estilo nas rádios brasileiras. A dominação não chega a ser surpresa. Entretanto, a extensão que o sertanejo assumiu em 2016 é sim surpreendente. Os caubóis e as vaqueiras expulsaram de forma quase completa todos os outros estilos das rádios, destroçando sons (antes?) populares como o funk, o samba e o romântico/brega tradicional e, de forma ainda mais espantosa, aniquilando a presença de artistas internacionais no hit parade. Hip hop, rock, EDM, tecnobrega, axé e MPB nem aparecem na lista. Confira no infográfico abaixo, cortesia DataMAB:

1-XnY1PNyF6HnBQBfiuFqG_A

O massacre da peãozada foi tão acachapante, que corri atrás do resultado de anos anteriores para entender como chegamos a esse ponto. Os gráficos abaixo compreendem o período 2012–2016 e mostram como, ano a ano, o sertanejo veio desbancando todos os outros estilos e, por tabela, chutando a música estrangeira pra fora do Top 100. Se entre 2012 e 2014 havia um certo equilíbrio (uma média 60%-40%), em 2015 o sertanejo passou a ocupar três em cada quatro lugares do Top 100. A mesma tendência se confirmou na comparação entre a presença de artistas brasileiros X estrangeiros. Em 2013, Anitta chegou ao terceiro lugar do ano com “Show das Poderosas”, a melhor posição alcançada por uma canção não-sertaneja. Em 2016, o primeiro hit não-caipira a surgir no Top 100 foi “Cancún” (Thiaguinho), em vigésimo lugar.

1-ODr-Oxuv_KX9CP_RyXJ3Mg

A monocultura também se manifesta nas letras dos grandes hits do ano. Quando fiz o primeiro estudo sobre o Top 100, em 2015, as temáticas me pareceram um pouquinho mais variadas. Em 2016, a sofrência dominou o panorama. Quase metade das 100 músicas mais executadas no ano passado versam sobre amores que não deram certo, abandono, depressão etc. A porcentagem poderia ser maior, se eu não tivesse sido preciosista e criado duas outras categorias (“Flagrante” e “Despedida”) que, no fim das contas, não deixam de ser também dor de corno. Somadas às outras letras mais genéricas sobre romance & sexo, a conclusão é óbvia: ao menos na música popular, o amor ainda vence tudo. Houve um certo declínio nas músicas sobre bebedeira e farra (talvez por reflexo da carestia).

1-Y8JLsAjgGHsHTJaQiRYHGg

Para encerrar, a comprovação de que o formato obrigatório para chegar ao sucesso é a dupla sertaneja. Das 100 mais tocadas no ano, 60 foram creditadas a duos (ou a duos em duetos com outros artistas, incluindo outros duos — entenderam?). Os grupos estão mesmo em baixa: só dois (Sorriso Maroto e Turma do Pagode) emplacaram entre as 100 mais.

1-C8Bawx6Eg1CmJBnAA9up9A

A lista completa das 100 mais de 2016 está aqui. Fonte de todos os dados citados: Crowley Broadcast Analysis.

Deixe uma resposta