5 coisas que todo profissional de áudio deveria saber

Conhecer estes 5 conceitos e/ou técnicas básicas é o que separa um profissional experiente de um iniciante no áudio. As dicas descritas abaixo são a base essencial para todo bom profissional de backstage, podem até parecer coisas simples e corriqueiras do dia-a-dia mas se aplicadas em larga escala num evento ou uma tour, esses conceitos podem economizar tempo e dinheiro, ou dar background para o profissional resolver pequenos problemas antes que eles se tornem GRANDES problemas.

 

  1. O jeito certo de enrolar cabos

Muitos dos cabos de áudio/vídeo possuem fios trançados por baixo do material isolante (capa). Isso dá a eles um “sentido de enrolamento” natural que nem sempre é seguido quando enrolamos um cabo de forma incorreta. Os cabos enrolados da forma errada ficam torcidos dentro do isolamento, causando uma tensão desnecessária que encurta o tempo de vida útil do cabo. Outros tipos de cabo, como o coaxial, não possuem esse sentido natural de enrolamento. Mesmo assim, eles ainda podem se beneficiar muito de um trabalho bem feito na hora de enrolar, evitando nós emaranhados e amassados nos conectores. Este vídeo da London School of Sound mostra duas formas de enrolar cabos que vão preservar o sentido natural e prolongar a vida útil de seus equipamentos. A explicação está em inglês, mas o vídeo em si é bastante ilustrativo e o idioma não deve ser uma barreira neste caso.

  1. Como construir cabos

Muitos esquemas de montagens de cabos conectores seguem um padrão básico: positivo, negativo e terra. Se você quiser montar um cabo de conexão do zero, é possível construir cabos de tamanhos específicos e podendo aproveitar cabos que foram danificados gerando uma boa economia. Apesar do procedimento de soldagem variar de acordo com o conector, uma estação de solda (ferro, esponja, solda), estilete e um bom alicate de corte é tudo que você precisa para montar ou consertar os tipos mais comuns, como XLR, ¼” e 3.5mm durante uma manutenção de emergência. Para resultados melhores, para evitar construção e projeto de conexão para cada tipo de cabo e conector, use cortadores de cabos e ferramentas especializadas para o trabalho de rotina.

Com um pouco de pesquisa você pode achar tutoriais e até mesmo vídeos explicando como fazer cabos corretamente. Veja este exemplo de como fazer cabos ¼” e XLR feito pelo Suffolk College. Se você quiser se aprofundar ainda mais sobre soldagem, visite o link sobre Técnicas de Soldagem do Smith College.

Conectores RF para uso com antenas externas, como BNC e N em cabos coaxiais de 50 ohm precisam ser tratados com cuidado adicional. Eles precisam ser soldados com cuidado e a impedância do cabo deve ser conferida para evitar perda de sinal, o que não é tão relevante quando se trata de cabos de áudio, mas nos cabos de RF são testadas usando equipamentos específicos que determinam a atenuação do cabo numa gama de frequências. Neste link você verá um guia de como soldar um cabo BNC. Cortesia do Del Mar College.

 

3. A Lei de Ohm

 

5 coisas que todo profissional de áudio deveria saber

 

Este não é exatamente um “tutorial”, mas mesmo sendo informações básicas, saber sobre este tópico é extremamente importante. Sistemas de áudio tem muitos conceitos baseados na engenharia elétrica. Eletricidade é um tópico bastante complicado, mas uma de suas regras mais práticas – A Lei de Ohm – não é. Para entender a lei de Ohm você precisa compreender três conceitos: voltagem, corrente e resistência.

 

Voltagem

É a medida potencial elétrico. Voltagem é o que motiva os elétrons a se moverem através da superfície de um condutor, mas ela não descreve o movimento em si – somente o potencial para este movimento, ou a “pressão”, como normalmente é dito quando se compara eletricidade a um cano de água. A unidade de medida da Voltagem é o Volt.

Corrente

É o número de elétrons que se move pelo condutor durante um período de tempo. Esta é uma medida do fluxo de elétrons. A unidade de medida da Corrente é o Ampere.

Resistência

É propriedade que um material tem de oferecer um elétron livre à seu vizinho. Elétrons dentro de um condutor movem-se pulando da órbita de um átomo do material para outro. Resistência é medida em Ohms. A Lei de Ohm diz que a corrente é diretamente proporcional a voltagem, se a resistência for constante.

Corrente = Voltagem/Resistência

Mantenha essa fórmula na sua mente e você poderá matematicamente descobrir a voltagem, corrente ou resistência se você tiver os valores das outras duas medidas. Assim você consegue entender o fundamental de circuitos básicos de muitos tipos de dispositivos elétricos. Por exemplo, se num circuito hipotético com um fio de resistência de 3 Ohm ligado do terminal positivo ao negativo de uma bateria de 9 Volt, nós sabemos os valores de voltagem e resistência, então precisamos achar a corrente. Neste caso, a corrente é igual a 9/3 ou 3 Amperes. Aumentando a voltagem em 100% e a corrente vai aumentar proporcionalmente: 6 amperes e 18 volts. Para aqueles ansiosos por informação, este vídeo de instrução de 1945 é realmente esclarecedor sobre eletricidade básica.

 

4. Como usar um Multímetro

Agora que você já sabe tudo sobre a Lei de Ohm, tenho certeza que você gostaria que existisse algum dispositivo mágico que pudesse lhe dizer a voltagem em uma bateria ou fonte de energia, corrente em um circuito ou a resistência em um fio. Para sua sorte ele existe, e é chamado de Multímetro.

 

5 coisas que todo profissional de áudio deveria saber

 

Instruções detalhadas de como usar um multímetro seriam muito longas para este post. Mas, com o entendimento da Lei de Ohm e o manual de uso de seu medidor, você vai estar fazendo medições em poucos minutos. Existem também diversos tutoriais on-line de como usar o dispositivo.
Multímetros não são apenas para iniciados no lado negro da força e engenheiros. Um multímetro é uma ferramenta indispensável para rastrear problemas com cabos. Como ouvimos dos melhores engenheiros de monitor da atualidade, um cabeamento mal feito ou defeituoso e o principal culpado por degradação do sinal de áudio e/ou RF. Às vezes, danos nos cabos podem ser praticamente invisíveis a olho nu. Os cabos também podem funcionar mas sem que chegue ao seu melhor desempenho. Uma maneira de avaliar um cabo que apresenta um baixo desempenho é verificar a sua resistência. A maneira mais rápida de diagnosticar um cabo que apresenta falhas seja ela intermitente ou contínua, mas sem sinais visíveis de danos é usar a função de continuidade de um multímetro, o que fazemos no vídeo a seguir. Neste caso, o ohm-meter (uma das muitas ferramentas em um multímetro) não revela um curto-circuito, porque neste caso ele não existe mas pode denunciar a intermitência do seu funcionamento. Em vez disso, usamos o multímetro para demonstrar o quão frágil cabo coaxial pode ser – mas a demonstração do multímetro ainda é útil.

 

5. Como fazer estrutura de ganho

A estrutura de ganho é o gerenciamento das voltagens entre diferentes etapas do sinal para maximizar a relação sinal-ruído e evitar sobrecargas, distorção e… Ruído. Definir níveis em um dispositivo de áudio na cadeia de sinal, muda a voltagem que vai sair dele para o próximo equipamento. Os níveis precisam ser balanceados cuidadosamente pois eles tem a capacidade de estragar o equilíbrio elétrico do sistema como um topo. 

O Unity Gain é a prática teórica de garantir que a mesma voltagem de saída seja mantida entre cada passo intermediário entre o microfone e o alto-falante. Em cadeias de sinal corrigidas usando modulação de áudio, o Unity Gain é muito importante. Porém, quando microfones sem-fio de frequência modulada são usados, a Unity Gain não é tão importante no caminho sem fio. De fato, muitos discutem que a preocupação sobre o ganho entre a saída do transmissor e a entrada do receptor mas esse fato não vai mudar praticamente nada para a maioria dos usuários. Dê uma olhada neste vídeo:

 

Este texto foi publicado originalmente pelo site www.gigplace.com.br

 

 

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *